Salário Maternidade: Tudo o que você precisa saber

Salário maternidade é um benefício previdenciário pago as mães (pais em alguns casos) nos primeiros meses de nascimento do filho, guarda judicial, adoção ou aborto espontâneo.

Segundo Anna Arraes, especialista em direito previdenciário, mães com filhos até 5 anos de idade, que estavam desempregadas na data do nascimento do filho e que trabalharam registradas ou contribuíram para o INSS antes do bebê nascer tem direito ao Salário-Maternidade. Existem variáveis e é preciso uma análise de cada caso por um profissional especializado.

Continuar lendo “Salário Maternidade: Tudo o que você precisa saber”

Porque carregar o bebê no tecido é bom demais!

Antes mesmo de engravidar já tinha visto muitas fotos de mamães e papais usando tecido para carregar seus bebês com conforto e segurança. Até lembrava de uma amiga que caminhava todos os dias na beira da praia com seu bebê de poucos meses, e seu bebê parecia muito feliz e bem acomodado.

Carregando minha bebê com 4 meses no Wrap Sling. Liberdade pra passear com bebê grudadinho e feliz! Foto: Fábio Carrion

Na minha experiência, o Wrap Sling (carregador de bebês de tecijdo) foi a melhor escolha da maternidade juntamente com fraldas de pano. Se eu engravidasse novamente hoje com toda certeza iria usar sling para carregar meu novo bebê. Ganhei meu primeiro tecido de wrap sling de uma amiga, mas depois comprei na internet mais dois novos tecidos de outras cores.

Minha bebê entrou no tecido com apenas 7 dias e até hoje, com quase 4 aninhos, quando fica doente e quer colo para ir ao médico, eu coloco ela no sling.

Sling: Carregador de bebês une conforto, segurança e liberdade para mamãe e bebê

No começo pode parecer meio estranho e difícil, mas se você é uma mulher que gosta de independência e fazer as coisas sozinha com seu bebê é uma alternativa maravilhosa. Aprendi a fazer a amarração com este vídeo. Até hoje faço igual. Com o sling você sente seu bebê seguro junto de você, no meu caso eu até amamentava com ela no pano, e podia caminhar até o posto de saúde, levar no supermercado comigo, ou até ficar junto de mim enquanto eu fazia tarefas domésticas ou trabalhava algumas horas no notebook.

Saiba mais sobre Slings nesses artigos:

Slings para bebês: as diferenças entre os modelos e como usá-los

Leia mais em: https://bebe.abril.com.br/familia/slings-para-bebes-as-diferencas-entre-os-modelos-e-como-usar-cada-um-deles/

Você sabe qual é a verdadeira origem dos slings?

http://www.umamenina.com/2017/06/origem-dos-slings.html

Fraldas ecológicas: Como usar? Vale a pena?

Quando fiquei grávida e fiz o enxoval não imaginava o quanto valeria a pena usar fraldas ecológicas de pano. Sim, as fraldas ecológicas foram a melhor escolha da maternidade! Ganhei kits das amigas e quando minha bebê tinha 1 mês já comecei a experimentar nela as fraldas ecológicas.

Nesse post quero te contar como é experiência de usar as fraldas ecológicas, que além de serem boas para o meio-ambiente, fazem economizar muito. No meu caso, eu ainda utilizo fraldas descartáveis a maior parte do tempo, mas também gosto de usar as de pano porque me fazem poupar dinheiro, ajudar a natureza e também me sentir segura sem me preocupar com alergias no bebê. Além de serem muito práticas elas são ajustáveis e cresceram junto com a criança.

As fraldas Ecológicas podem até parecer caras a princípio, mas valem a pena pois o investimento é uma vez só. Hoje com 3 aninhos a minha pequena ainda usa essas fraldas.

Fraldas ecológicas da marca DiPano

Como usar Fraldas Ecológicas?

Pra colocar no bebê é muito fácil, basta colocar o forro na capinha então ajustar seja com felcro ou botões.

As fraldas de pano são 100% reutilizáveis, não contém químicos e por isso são mais econômicas para a família, mais saudáveis para o bebê e muito mais ecológicas para o nosso planeta.

Embora tenham que lavar, as fraldas ecológicas são muito práticas, fáceis de lavar a máquina não tem segredo. Pode lavar a mão e não precisa passar! São bonitinhas, com estampas divertidas e acompanham o crescimento do bebê de 3,5k a 16kg aproximadamente.

***Cada Fralda Dipano equivale a pelo menos 400 descartáveis!

As fraldas que ganhei e uso até hoje na minha filha são da marca fraldasdipano. E você mamãe? Já experimentou usar fraldas desse tipo no seu bebê? Eu recomendo muito. e olha que não ganhei nada pra escrever isso hein? Fica a dica!

Como Sobrevivi ao Puerpério (Pós-Parto)

Hoje fazem mais de 64 dias que dei a luz. Em teoria, o tal puerpério (nome feio para o período do pós-parto) pode durar até 60 dias. 

“O puerpério dura 60 dias e apresenta-se dividido em três fases, assim denominadas: puerpério imediato: logo após o nascimento do bebê, até 10 diasdepois do parto; puerpério tardio: do 11° ao 40° dias após o parto; puerpério remoto: contado a partir do 41° ao 60° dias após o parto. 

(http://www.boasaude.com.br/folhetos-de-saude/5745/puerperio.html)”

Mas já existem teorias que dizem que dura 9 meses, que é o tempo do seu corpo voltar quase totalmente ao normal. Ou até você voltar a ovular, tempo de seus hormônios voltarem a funcionar como antes da gravidez. Isso pode ser bem relativo no caso de você estar amamentando. Nunca se sabe quando vai acontecer.  O período pode durar até enquanto você ainda estiver amamentando. O que pode durar até 2 anos! 

AMAMENTAÇÃO

Enfim, posso dizer que sobrevivi ao período crítico. Tive muita dificuldade na amamentação depois de uns 5 dias. Quando já estava em casa, achando que tava tudo bem, comecei a ter mastite, febre e muita dor nos seios. Corri pro hospital. O que me ajudou foi colocar gelo nos seios. Tinha tanta dor quando dava o peito que chega a gemer! Tive ingurgitamento nesse início. O que dói demais! Consegui passar por isso com ajuda da enfermagem do Posto de Saúde e das médicas do hospital que me atendeu quando tive febre e dor.

EMOCIONAL

As crises de choro foram umas três ou quatro. E foram daquelas terríveis, parecia que o mundo tava desabando. Na verdade era só medo de não dar conta da minha vida, medo de cuidar de um bebê puro e indefeso, medo de passar mais dificuldades por estar sem dinheiro e sem trabalho, medo da solidão de cuidar de uma criança praticamente sozinha, já que não moro com o pai da minha filha, e estou (temporariamente) na casa da minha mãe. Medos e desesperos todos em forma de lágrimas. Meus familiares estavam comigo nesses momentos de pavor. O pai da Lívia também me aguentou. Até vizinhas vieram me apoiar e falar de Deus. Fiz terapia e continuei com apoio psicológico da minha Doula. Só isso me segurou. Ninguém é de ferro!

PALPITES

Os palpites começaram na gravidez é claro. No início, eu até queria! Porque eu não sabia NADA sobre gravidez e maternidade e queria me informar. Eles vieram em forma de conselhos e foram muito bem-vindos. O problema foi depois que se tornaram palpites mesmo, e o pior, quando se tornaram conselhos agourentos do tipo: “Não vai fazer tal coisa se não tua filha vai morrer! Não vai fazer tal coisa senão tu vai ser péssima mãe! Ou você vai se cansar de ser mãe. Porque ser mãe é horrível! AFF! CANSA DEMAIS

O AMOR DE MÃE SUPERA TUDO

No fim das contas, a maternidade está sendo difícil sim. Mas ao mesmo tempo é a minha maior felicidade! As noites mal dormidas não são tão ruins porque minha bebê dorme bastante. Claro, são bem difíceis as noites que ela chora demais por casa da cólica. Mesmo assim acho que eu acho que consigo manter muit calma. É difícil eu me desesperar. 

Ainda não me adaptei na rotina da casa pra conseguir fazer minha própria comida. Ainda assim, com suas limitações, tenho ajuda da família. Tem dias que eu deixo de me cuidar, que é uma correria pra conseguir ir no banheiro (POIS É! HAHAHA), tem as brigas de casal que são dolorosas, mas necessárias em alguns momentos, tem os dias e dias dentro de casa por causa do tempo ruim e tal.  Ah! Esqueci de citar a fome de leão, pior que na gestação, você parece um bixo! E a auto-estima que vai e vem, poque seu corpo muda totalmente.

Ao mesmo tempo tem a alegria dessa pequenina sorrindo de graça, como tá fazendo agora aqui do meu lado na cadeirinha enquanto eu escrevo, até os cocôzinhos dela eu aplaudo! Huiashdasd juro! É uma felicidade imensa ser mãe. Posso ficar cansada dos desafios. Vou sofrer como nunca quando ela ficar doente. Mas eu sou a pessoa mais feliz do mundo agora. Ela me faz completamente feliz. Eu amo ser mãe. Eu renasci e desde quando ela nasceu, eu sou uma guerreira e agradeço demais a toda ajuda que recebi e ainda recebo. E agradeço principalmente a Deus por essa glória na minha vida.

Fotos: Greice Nichele https://www.facebook.com/greicenichelefotografia/

*Post escrito em 30/06/2018

Afeto e Atenção: O melhor presente para uma criança!

Não tem dinheiro que pague, é de graça! O maior e melhor presente que você pode dar para uma criança é simples: Sua ATENÇÃO. Seu carinho. Parece que todo mundo sabe disso né?  Mas a maioria das pessoas esqueceu. Parece que as crianças estão largadas na frente das telas ou falando sozinhas dentro de seu próprio mundo, quando deveriam ser tratadas com mais afeto, e com uma conversa de igual para igual. 

Esse final de semana fui almoçar em um restaurante com minha bebê junto. Como o ambiente era super familiar, diversas famílias estavam com seus nenês e também com crianças. Foi a primeira vez que pude observar como a maioria dos pais age hoje em dia. Apenas uma família conversava com o bebê enquanto dava o alimento pra criança. O pai e a mãe deixaram pra comer depois que o neném tivesse comido e parecia incrível, eles conversavam todos juntos. Sem conversas paralelas “de adulto”. 

A relação entre a criança e os pais é feita a cada momento juntos

Você sabe que o bebê ouve TUDO que você fala desde quando está sendo gerado dentro da sua barriga. E você se dá conta que ele ouve (e também aprende) tudo que você fala com outros adultos quando está fora do útero. Sim, ele continua se desenvolvendo e absorve o que você disser! Você se preocupou durante a gravidez, mas e agora?

O que se tornou destaque foi uma única família que incluía a criança na refeição. As outras famílias estavam conversando somente entre os adultos, enquanto davam a colher na boca do bebê, que mastigava e assistia o tablet ou celular ao mesmo tempo. 

O afeto é o maior tesouro que podemos dar e receber das crianças

Isso me deixou extremamente triste com as gerações futuras. Me deixou desesperada com o que estão fazendo com as nossas crianças! As pessoas não estão se dando conta. Se é assim na rua, como será em casa? Porque as crianças e bebês viraram objetos a se fotografar e postar nas redes sociais o tempo todo, mas depois que a foto é postada, você não dá a mínima atenção pro seu filho? Porque quando você alimenta não olha nos olhos dele? Porque os adultos são mais importantes que o aprendizado de um bebê ou criança que está em constante aprendizado?

Você pode comprar as melhores roupas, pode colocar seu filho na melhor e mais cara das escolas, pode postar foto da criança todos os dias nas suas redes sociais. Mas quando faz o stories eu consigo nitidamente ver a criança deixada de lado enquanto você fala com o celular, eu vejo ali uma criança triste no fundo da imagem… Quando você dá uma colherada de feijão ao mesmo tempo que não conversa com seu bebê, porque o assunto do pai ou da mãe é mais importante, não queira que ele aprenda a falar tão cedo. Você pode até comprar os brinquedos mais caros, porém isso se torna inútil se você não souber conversar e brincar com a criança. 

ASSISTA:  O que realmente importa para seu filho, de Marcos Piangers:

OLHOS NOS OLHOS. ONDE FOI PARAR O OLHAR DOS PAIS? Deixar na creche ou na escolinha e depois só buscar no fim da tarde e largar a criança na frente do tablet, da televisão,do celular. Deixar a criança sozinha enquanto você fica lendo o instagram e atualizando as mídias sociais. Porque diabos você foi ter filho então? Depois não reclame, se seu filho te deixar de lado, se ele não se desenvolver, se tiver você tiver que gastar com a terapia quando ele for maiorzinho.

Conecte-se ao que importa! O vínculo é criado todos os dias

Isso é caso de saúde pública. Já existe uma campanha. Mas não vejo muita gente colocar em prática. Aqui em casa, eu limitei o uso do celular quando a minha bebê está acordada. Tenho horários fixos pra utilização e tento conversar ao máximo com a minha filha. Mesmo que ela ainda tenha só 5 meses e não me responda. Porque eu sei que ela está observando e aprendendo. Além disso, minha atenção com ela é maior e sei que isso é indispensável pra ela se tornar um ser humano do bem, seguro e que se sente amado. Espero que eu não me torne esse monstro que só tem tempo pros adultos quando ela crescer mais. 

Série O Começo da Vida, ASSISTA: 

*Este post foi escrito anteriormente a pandemia para um antigo blog, mas permanece atual. Pois isso repliquei por aqui,